Buenos Aires - - Domingo 20 De Setembro

Home Pessoas Arte e Literatura A mão negra do desenho animado internacional

A mão negra do desenho animado internacional

José Muñoz, o cartunista argentino que transcendeu as fronteiras.

Arte e Literatura

José Muñoz (Buenos Aires, 1942) é um dos  cartunistas argentinos  mais influentes do mundo. Artistas como Frank Miller, famoso por seu BATMAN: The Knight of the Night Returns and Sin City, ou Warren Pleece, o britânico que revolucionou a DC Comics na década de 1990, são alguns de seus famosos discípulos em um estilo de violento chiaroscuro e intrincados antecedentes, com detalhes perturbadores.

 Aprendendo com os mestres Alberto Breccia, Hugo Pratt e Francisco Solano López, para quem ele fez vários fundos e paisagens no mítico El Eternauta (1957), a brilhante criação de Héctor Oesterheld, Muñoz representa a evolução do thean argentino  quadrinhos  para um público exigente em termos de enredos e arte, nos anos em que o Instituto Di Tella comemorou o Primeiro Mundo Bienal do desenho animado.
Emigrado para a Europa em meados dos anos setenta, em uma dupla criativa com Carlos Sampayo, Muñoz continua na experimentação gráfica e nas fraturas das  línguas , com Alck Sinner (1975) ou Sophie (1986), e as deslumbrantes biografias desenhadas por Billie Holiday (1991) e Carlos Gardel (2009), entre outras colaborações.

A partir de 1999, o artista publicou individualmente uma seleção de textos e desenhos, como Orillas de Buenos Aires, enquanto fazia tapas e cartazes para editoras europeias de prestígio. Seus livros são
traduzidos para francês, italiano, inglês, finlandês, sueco, norueguês, dinamarquês, holandês, grego, português, sérvio e alemão. E ele é o único artista da América Latina que ganhou o Grande Prémio de Angoulême em
2007, uma espécie de Oscar para a Trajetória em sua  arte .

 Diz José Muñoz 

“Mas no ciclo de Alack Sinner sempre houve coisas positivas. Nem sempre foi uma noite negra sem estrelas... que não fomos esquecidos de um país sem presente ou futuro, nós e todos os argentinos e todos os seres humanos. Porque é disso que se trata: ser humano. É um objetivo”, entrevista José Muñoz sobre seu personagem mais famoso, co-criado com Carlos Sampayo. Em Sasturain, J. “El domicilio de la aventura” Buenos Aires: Colihue. 1995.

 Dizem sobre José Muñoz 

“Sudaca Sudaca — com desenhos de José Muñoz, roteiros de  Carlos Sampayo  (1984), apareceram na revista  Fierro  — é um desenho animado doloroso porque deixa a tragédia argentina, essa sucessão de desentendimentos: desapareceu, se foi, vem, crianças que saíram voluntariamente ou involuntariamente; pais que ficaram, cartas, chamadas de longa distância...”, em Gociol, J. e Rosemberg, D. “La Historieta Argentina. Uma história” Buenos Aires: Edições da Flor. 2003.

Assista à entrevista com José Muñoz de Juan Acosta no Museo del Humor (2012).

Data de publicação: 10/07/2020

Compartilhar
Classifique este item
4.50/5

Temas

Escrever! Notas do leitor

Vá para a seção

Comentários


Não há comentários

Deixe um feedback


Comentários

Música
Coral Campopiano Coral Campopiano: uma vida de sonhos e luta

Com uma brilhante carreira musical nos Estados Unidos, Coral Campopiano voltou ao país e liderou uma...

História
Un hombre que dejó su huella en Um homem que deixou sua marca na Terra do Fogo

O legado de Ernesto Manuel Campos permanece em vigor na ilha.

Argentinos em todo o mundo
Tatín López Salaberry Tatín López Salaberry, embaixador do tango

Anos depois de servir como diplomata na Costa Rica, Oscar López Salaberry é um verdadeiro embaixador...

História
Eduardo Castex celebra los 112 años Feliz aniversário, Eduardo Castex!

Eduardo Castex celebra 112 anos de sua fundação.

Artigos


Eu quero estar atualizado

Assine a nossa newsletter e recebi as últimas notícias